Janaina Pereira

outubro 31, 2008

Tecnologia Saudável

Filed under: Economia — janapereira @ 4:09 pm

Eles consertam computadores, instalam programas, fazem sistemas e exploram todas as possibilidades que a tecnologia tem. Conheça alguns profissionais liberais que conquistaram espaço no disputado mundo da informática

Janaina Pereira, revista Meu Próprio Negócio, edição 60 – dezembro / 2007

Help Desk é o termo em inglês que designa o serviço de apoio a usuários para suporte e resolução de problemas técnicos em informática e tecnologias de informação (TI). Pode ser realizado dentro de uma empresa, com profissionais que cuidam da manutenção e instalações de equipamentos e possuem um salário fixo, variável de acordo com a região do País, ou com a prestação de serviços a usuários através do telefone, e-mail ou pessoalmente, com o valor da hora de trabalho variando de R$40,00 a R$100,00.

Com a popularização crescente do computador, este é apenas um serviço da área de informática, setor que a cada dia conquista mais espaço, e aumenta a demanda por profissionais liberais. “A informática ainda é assustadora para muitos usuários , por isso eles sempre procuram profissionais que possam ajudá-los a usar melhor os computadores. Isso permite a freqüente identificação de novos mercados para quem resolve se arriscar em trabalhar na área”, comenta Dijalma dos Santos, da DBios Treinamento e Serviços, de São Paulo, profissional com mais de 20 anos de experiência, e desde os seus 25 anos, a frente de um negócio próprio.

Santos iniciou a empresa em casa, com dois computadores e uma impressora, digitando e preparando apostilas para ministrar treinamentos e, após três meses, fechou contrato com uma multinacional para atuar na instalação e suporte de um sistema de segurança. A partir daí começou a expandir os negócios, alugou um escritório, adquiriu novos equipamentos, contratou funcionários e ampliou os serviços. Hoje, a DBios, com 16 anos de experiência, tem sede própria e está focada em treinamentos, digitação e suporte técnico.

Segundo o empresário, a quantidade expressiva de jovens neste mercado é justificada pela facilidade de entrar na área, já que o acesso a tecnologia é cada vez mais fácil e constante. “Na escola, aprendem informática, em casa brincam com o computador, os amigos trocam experiência, a internet permite pesquisar uma infinidade de assuntos, ou seja, o poder de assimilação é muito maior do que uma pessoa que teve de se acostumar a esse novo mundo.” A possibilidade do trabalho de help desk ser o primeiro passo para ampliar funções na área também deve ser considerada. “A informática tem várias vertentes, e é importante ter claro o segmento desejado”, diz Santos.

Profissionalização

O profissional da área ainda não é reconhecido legalmente e não tem uma entidade de classe para defender seus interesses como ocorre com os advogados (OAB), médicos (CFM/CRM) e engenheiros(CREA). Por isso, não há parâmetro para determinar a legalidade de atuação do prestador de serviços, não existe piso salarial e a informalidade é predominante, especialmente para quem está começando e, quase sempre, opta por trabalhar como help desk. “Informática é uma área que exige muito para se firmar. Sempre haverá alguém que cobra bem abaixo do meu preço e eu até agradeço, pois é quando o cliente se decepciona com um serviço mau feito que ele volta pagando o meu custo sem pedir descontos”, diz Sandro Múcio, que começou há quinze anos consertando seu próprio computador e hoje está se especializando em análise e desenvolvimento de software em sua cidade, Natal (RN).

Múcio acha que o caminho para combater a informalidade é a profissionalização. “É fundamental ter um curso superior, falar inglês e ter certificações de empresas como a Microsoft, Sun Microsystem, CISCO, ADOBE, Oracle, pois esse é o diferencial entre dois concorrentes numa disputa de vaga ou mesmo de um projeto. Deslealdade existe em qualquer profissão. Imagine num campo que não é regulamentado. Programação, por exemplo, é uma área de atuação que tem seus métodos, mas, em grande parte, se desenvolve como uma arte de criação e de particularidades. Por isso não deve ser regulamentada, restringindo o exercício da atividade a alguns. Claro que é importante ter medidores de custo e de qualidade para o que fazemos, mas acredito que o grande mestre nesse ponto é o mercado e nessa ótica os bons profissionais se firmam, enquanto os aventureiros ficam pelo caminho”, diz.

Apesar da ausência de regulamentação da profissão, Múcio avalia a área como saturada, apesar da falta de mão-de-obra especializada, principalmente com experiência suficiente para assumir grandes projetos em empresas. “A remuneração não é diferente de qualquer outro profissional: existem aqueles que vão ganhar pouco, por desconhecimento, amadorismo ou incompetência, e os que irão se destacar pela qualidade e pela especificidade. Um bom advogado ou um bom médico ganham bem, e no caso de um profissional de informática também é assim.”

Mudanças

Ricardo Cabral é pioneiro na área de informática. Começou em 1973, no Rio de Janeiro, com um curso de Cobol, e hoje é consultor, acompanhando de perto a evolução do mercado ao longo dos anos. “Muita coisa mudou: a velocidade, em função da tecnologia e da formação; a visão do profissional, dos outros para ele, e dele para si próprio; e a forma como as pessoas se relacionam com a informática. Essas mudanças fizeram com que o profissional da área se transformasse em um prestador de serviços. Antes, ele era gerador de processos e procedimentos”, conta Cabral, que se tornou profissional liberal em 2001, após sair de seu último emprego com carteira assinada e perceber que o mercado estava caminhando para a terceirização.

A idade na época, 47 anos, um empecilho em muitos mercados, para Cabral, hoje, conta a favor. “A valorização do profissional mais jovem, em função de uma intimidade maior com a informática e a conseqüente facilidade no relacionamento com as técnicas da profissão, nem sempre são suficientes. Pesa a falta de experiência e conhecimento do negócio, coisas que não se aprende na escola”, acredita.

A vivência e a paixão pela profissão contagiaram o filho de Cabral, André Ricardo Oliveira, que seguiu os passos do pai e é profissional liberal da área e seu sócio na Info RA Consultores de Informática. “Ganhei um computador muito cedo e desde criança, sempre tive vontade de trabalhar com isso. Na época, não existiam PCs, meu primeiro equipamento foi um MSX. No segundo grau, fiz um estágio e quando entrei na faculdade consegui minha primeira chance numa empresa de navegação. Isso foi em 1995. Desde então, sigo na área”, diz Oliveira. Para ele, trabalhar por conta própria tem fatores positivos e negativos. “Caso você tenha muitos contatos na área, poderá ganhar um bom dinheiro extra tendo sua própria empresa, fazendo trabalhos “por fora”. Mas a grande vantagem de ser um profissional liberal é também a sua grande desvantagem: a possibilidade de ser terceirizado e prestar serviços para uma empresa, e poder trocar por outra com mais facilidade. Da mesma forma que você pode mudar de empresa, a empresa que você presta serviços pode dispensá-lo”, explica.

Mesmo com o mercado associando a informática aos jovens, Oliveira acredita que há espaço para todos, e vê no pai o maior exemplo disso. “Ele trabalha com informática desde que me entendo por gente, conheceu o micro-computador bem depois de mim e, mesmo assim, é um dos profissionais mais bem conceituados na sua área que eu conheço. Se você está disposto a estudar e aprender sempre terá trabalho. Além disso, hoje existem diversas áreas dentro do mercado de informática e uma grande gama de atuações, com remuneração que pode variar de R$1.000 a quase – ou até mais – de R$ 10 mil. São muitas as possibilidades e o setor continua sendo atraente para quem deseja seguir seu próprio caminho no mundo dos negócios”, acredita Oliveira.

Service Desk, a evolução do Help Desk

Para acompanhar a importância que a informática tem hoje no mundo corporativo, o Help Desk evoluiu e surgiu o Service Desk, que permite aos usuários de TI ter um Ponto Único de Contato (PUC) para todos os serviços, e assim fazer uma comunicação mais efetiva. A principal missão do Service Desk é o restabelecimento da operação normal dos serviços dos usuários o mais rápido possível, minimizando o impacto nos negócios causados por falhas de TI. “As empresas dependem, cada vez mais, da informática, embora muitas ainda achem que é um mal necessário. É importante que exista um alinhamento, que tudo funcione bem, inclusive a parte tecnológica. O Service Desk é mais abrangente e não envolve apenas técnica, mas a gestão do negócio. É ele quem impede que uma falha de TI prejudique a empresa, permitindo que o trabalho seja realizado”, explica Uires Tapajós, da Company Web, empresa de consultoria e treinamento que promove cursos e workshops sobre o assunto.

O Service Desk é um serviço relativamente novo, há apenas quatro anos vem sendo oferecido, mas é um segmento em franca expansão. “Ainda são poucos os profissionais que podem fazer esse trabalho, mas há demanda. Quem se especializa neste serviço deve conhecer bem a parte técnica, enxergar o negócio da empresa e entender a importância da gestão de serviços de TI. É o tipo de trabalho que pode ser exercido perfeitamente por um profissional liberal, se ele for bem qualificado”, conclui Tapajós.

COLABORARAM

Companyweb, www.companyweb.com.br, (11) 3532-1076; DBios Treinamento e Serviços, www.dbios.com.br, (11) 3086-0060; Info RA Consultores de Informática Ltda, (21) 8119-7651, (21) 8158-9789; Sandro Múcio, www.sandromucio.com, (84) 3213-2651 / 8873-1842

Deixe um comentário »

Nenhum comentário ainda.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: